2004-07-29

Darfur na Wikipedia

Darfur
From Wikipedia, the free encyclopedia.
This article is about a region in Africa, for the city located in Watonwan County, Minnesota, USA, see Darfur, Minnesota.
Darfur (Arabic دار فور, meaning "home of the Fur") is a region of the far western Sudan, bordering the Central African Republic and Chad. It is divided into three federal states within Sudan, Gharb Darfur, Janub Darfur, and Shamal Darfur.

Table of contents [showhide]
1 Geography
2 Economy and Demography
3 History
3.1 The Darfur crisis

4 External links
[edit]
Geography
Darfur covers an area of some 196,555 km² (75,890 miles²), with an estimated population of around 3.1 million people. It is largely an arid plateau with the Marrah Mountains (Jebel Marra), a range of volcanic peaks rising up to 3,000 m (10,100 ft), in the centre of the region. The north comprises a sandy desert, while bush forest exists in the south. The region's main towns are Al Fashir and Geneina.

[edit]
Economy and Demography
Darfur's economy is primarily based on subsistence agriculture, producing cereals, fruit and tobacco as well as livestock in the drier north. The main ethnic groups are the Fur (after whom the region is named), an ethnically African people, and the Arab Baggara. Others include the African Zaghawa, Masalit, and Midob. The Baggara are divided into several tribes. Some of them, such as the Misseiria, speak languages other than Arabic natively. Many of these ethnic groups also have significant populations in neighboring Chad, particularly the Zaghawa and Baggara.

During much of Darfur's history, relations between the African and Arab inhabitants of the region have been tense. Formerly, it was a centre of the slave trade, with the Fur kingdom exporting Africans from other parts of Sudan as slaves to the Arab world. The Arab and African inhabitants of the region have differing economic needs, which has led to clashes: the African peoples are primarily sedentary farmers, while the Arabs are nomadic herdsmen, which has brought them into conflict over access to land and water resources.

[edit]
History
The Daju, inhabitants of Jebel Marra, appear to have been the dominant group in Darfur in the earliest period recorded. How long they ruled is uncertain, little being known of them save a list of kings. According to tradition the Daju dynasty was displaced, and Islam introduced, about the 14th century, by the Tunjur (of uncertain, possibly Arab origins[1] (http://www.uni-bayreuth.de/afrikanistik/mega-tchad/Bulletin/bulletin2000/ouvrages/rouaud.html)), who reached Darfur by way of Bornu and Wadai. The first Tunjur king was Ahmed el-Makur, who married the daughter of the last Daju monarch. Ahmed reduced many chiefs to submission, and under him the country prospered.

His great-grandson, the sultan Dali, a celebrated figure in Darfur histories, was on his mother's side a Fur, and thus brought the dynasty closer to the people it ruled. Dali divided the country into provinces, and established a penal code, which, under the title of Kitab Dali or Dali's Book, is still preserved, and differs in some respects from Quranic law. His grandson Soleiman (usually distinguished by the Fur epithet Solon, the Arab or the Red) reigned from 1596 to 1637, and was a great warrior and a devoted Muslim; he is considered as the founder of the Keira dynasty. Soleiman's grandson, Ahmed Bahr (1682-1722), made Islam the religion of the state, and increased the prosperity of the country by encouraging immigration from Bornu and Bagirmi. His rule extended east of the Nile as far as the banks of the Atbara. Under succeeding monarchs the country, involved in wars with Sennar and Wadai, declined in importance.

Towards the end of the 18th century a sultan named Mohammed Terab led an army against the Funj, but got no further than Omdurman. Here he was stopped by the Nile, and found no means of getting his army across the river. Unwilling to give up his project, Terab remained at Omdurman for months. He was poisoned by his wife at the instigation of disaffected chiefs, and the army returned to Darfur. The next monarch was Abd-er-Rahman, surnamed el-Rashid or the Just. It was during his reign that Napoleon Bonaparte was campaigning in Egypt; and in 1799 Abd-er-Rahman wrote to congratulate the French general on his defeat of the Mamelukes. To this Bonaparte replied by asking the sultan to send him by the next caravan 2000 black slaves upwards of sixteen years old, strong and vigorous. To Abd-er-Rahman likewise is due the present situation of Al Fashir, the royal township, which he established as capital in 1791/2. The capital had formerly been at a place called Kobb.

Mohammed-el-Fadhl, his son, was for some time under the control of an energetic eunuch, Mohammed Kurra, but he ultimately made himself independent, and his reign lasted till 1839, when he died of leprosy. He devoted himself largely to the subjection of the semi-independent Arab tribes who lived in the country, notably the Rizeigat, thousands of whom he slew. In 1821 he lost the province of Kordofan, which in that year was conquered by the Egyptians. Of his forty sons, the third, Mohammed Hassan, was appointed his successor. Hassan is described as a religious but avaricious man. In the later part of his reign he became involved in trouble with the Arab slave raiders who had seized the Bahr el Ghazal, looked upon by the Darfurians as their especial slave preserve. The natives of Bahr el Ghazal paid tribute of ivory and slaves to Darfur, and these were the chief articles of merchandise sold by the Darfurians to the Egyptian traders along the road to Asyut. The loss of the Bahr el Ghazal caused therefore much annoyance to the people of Darfur.

Hassan died in 1873, blind and advanced in years, and the succession passed to his youngest son Ibrahim, who soon found himself engaged in a conflict with Zubayr, the chief of the Bahr el Ghazal slave traders, and with an Egyptian force from Khartoum. The war resulted in the destruction of the kingdom. Ibrahim was slain in battle in the autumn of 1874, and his uncle Hassab Alla, who sought to maintain the independence of his country, was captured in 1875 by the troops of the khedive, and removed to Cairo with his family.

The Darfurians were restive under Egyptian rule. Various revolts were suppressed, but in 1879 the British General Gordon (then governor-general of the Sudan) suggested the reinstatement of the ancient royal family. This was not done, and in 1881 Slatin Bey (Sir Rudolf von Slatin) was made governor of the province. Slatin defended the province against the forces of the self-proclaimed Mahdi Muhammad Ahmad, who were led by a Rizeigat sheik named Madibbo, but was obliged to surrender (December 1883), and Darfur was incorporated in the Mahdi's dominions. The Darfurians found his rule as irksome as that of the Egyptians had been, and a state of almost constant warfare ended in the gradual retirement of the Mahdi's forces from Darfur. Following the overthrow of the Mahdi's successor at Omdurman in 1898, the new (Anglo-Egyptian) Sudan government recognized (1899) Ali Dinar, a grandson of Mohammed-el-Fadhl, as sultan of Darfur, on the payment by that chief of an annual tribute of 5o0. Under Ali Dinar, who during the Mahdi's era had been kept a prisoner in Omdurman, Darfur enjoyed a period of peace.

He led a revolt against the British Empire in 1916, declaring allegiance to the Ottoman Empire. This was put down, the sultan was killed and Darfur was incorporated into British-ruled Sudan. It became part of the Republic of Sudan on the country's independence in 1956. After independence, it became a major power base for the Umma Party, led by Sadiq al-Mahdi. In 1994, Darfur was divided into three federal states within Sudan: Northern (Shamal), Southern (Janub), and Western (Gharb) Darfur. Northern Darfur's capital is Al Fashir; Southern Darfur's is Nyala; and Wester Darfur's is Al Junaynah.

[edit]
The Darfur crisis
The region became the scene of a bloody rebellion in 2003 against the Arab-dominated Sudanese government, with two local rebel groups - the Justice and Equality Movement (Jem) and the Sudanese Liberation Army (SLA) - accusing the government of oppressing black Africans in favour of Arabs. In response, the government mounted a campaign of aerial bombardment supporting ground attacks by an Arab militia, the Janjaweed. It was accused of committing serious human rights violations, including mass killing, looting, and rapes of the non-Arab population of Darfur. By the spring of 2004, several thousand people had been killed and hundreds of thousands more had been driven from their homes, causing a major humanitarian crisis in the region.

See Darfur conflict for a more detailed article on the crisis.

[edit]
External links
Darfur Info (http://www.darfurinfo.org/)
Ideas on the Background of the Present Conflict in Darfur (http://www.afrikafreundeskreis.de/docs/darfur_prof_ibrahim_5_04.pdf) (PDF)
Darfur King List (http://www.hf.uib.no/smi/sa/06/6darfur.pdf)
Gender Dynamics in Darfur (http://www.jendajournal.com/jenda/vol2.1/muhammad.html) (has a lot of background on other matters)
Darfur: The inversion of ethnicity (http://www.ifaanet.org/The%20Inversion%20of%20Ethnicity.htm) (lots of background on ethnic classification)
Darfur Documents Confirm Government Policy of Militia Support (http://hrw.org/english/docs/2004/07/19/darfur9096.htm) Human Rights Watch

2004-07-25

Tour 2004 classificação geral

In http://www.sport.fr/cyclisme/cyc/37463.shtm

Lance Armstrong établit un nouveau record en remportant le Tour de France pour la 6e année consécutive. Mieux que Merckx, Hinault, Indurain et Anquetil. On retiendra aussi de ce Tour 2004 la révélation Thomas Voeckler.

Image France Télévisions
Dimanche 25 juillet 2004
Pour sa 6e victoire sur le Tour de France, l'Américain Lance Armstrong (US Postal) s'est offert 6 victoires d'étape. Une façon de placer son record plus haut que ceux de ses illustres prédécesseurs. Ce succès écrasant ne va pas sans susciter la polémique. On devrait entendre parler très longtemps encore des révélations de l'ancien médecin de l'équipe américaine ou de l'ancienne soigneuse du coureur. Mais pour l'heure, seule la victoire est belle. Armstrong devance sur le podium le jeune Allemand Andreas Klöden (T-Mobile) et le non moins jeune Italien Ivan Basso (CSC). Jan Ullrich échoue au pied du podium. Mais l'équipe T-Mobile remporte le classement par équipes.

Le meilleur Français est Christophe Moreau, 12e. Mais on retiendra la performance du champion de France Thomas Voeckler, véritable révélation de ce Tour, même s'il a dû abandonner le maillot blanc du meilleur jeune au Russe Vladimir Karpets (Iles Baléares). Richard Virenque (Quick-Step) revêt le maillot à pois pour la 7e fois de sa carrière. Robbie McEwen endosse le maillot vert du classement par points.


Classement général
1 ARMSTRONG Lance USA USP 83h36’02"
2 KLÖDEN Andréas GER TMO +06’19"
3 BASSO Ivan ITA CSC +06’40"
4 ULLRICH Jan GER TMO +08’50"
5 AZEVEDO José POR USP +14’30"
6 MANCEBO Francisco ESP IBB +18’01"
7 TOTSCHNIG Georg AUT GST +18’27"
8 SASTRE Carlos ESP CSC +19’51"
9 LEIPHEIMER Levi USA RAB +20’12"
10 PEREIRO-SIO Oscar ESP PHO +22’54"
11 CAUCCHIOLI Pietro ITA ALB +24’21"
12 MOREAU Christophe FRA C.A +24’36"
13 KARPETS Vladimir RUS IBB +25’11"
14 RASMUSSEN Mickael DEN RAB +27’16"
15 VIRENQUE Richard FRA QSD +28’11"
16 CASAR Sandy FRA FDJ +28’53"
17 SIMONI Gilberto ITA SAE +29’00"
18 VOECKLER Thomas FRA BLB +31’12"
19 RUBIERA José-Luis ESP USP +32’50"
20 GOUBERT Stephane FRA A2R +37’11"
21 MERCKX Axel BEL LOT +39’54"
22 ROGERS Michael AUS QSD +41’39"
23 LANDIS Floyd USA USP +42’55"
24 SEVILLA Oscar ESP PHO +45’19"
25 GUERINI Giuseppe ITA TMO +47’07"
26 CAMANO Iker ESP EUS +47’14"
27 PINEAU Jérôme FRA BLB +47’43"
28 GUTIERREZ José-Enrique ESP PHO +50’39"
29 BROCHARD Laurent FRA A2R +51’35"
30 CHAVANEL Sylvain FRA BLB +54’43"
31 GONZALEZ Santos ESP PHO +1h01’01"
32 SCARPONI Michele ITA DVE +1h03’01"
33 HINCAPIE George USA USP +1h04’09"
34 MONCOUTIE David FRA COF +1h04’37"
35 VOIGT Jens GER CSC +1h07’07"
36 BOTCHAROV Alexandre RUS C.A +1h10’54"
37 MERCADO Juan-Miguel ESP QSD +1h11’31"
38 PETROV Evgeni RUS SAE +1h12’24"
39 HALGAND Patrice FRA C.A +1h12’24"
40 JULICH Bobby USA CSC +1h12’42"
41 MARTINEZ Egoi ESP EUS +1h15’10"
42 SABALIAUSKAS Marius LTU SAE +1h15’15"
43 VERBRUGGHE Rik BEL LOT +1h16’42"
44 GONZALEZ-GALDEANO Igor ESP LST +1h16’45"
45 GONZALEZ Aitor ESP FAS +1h17’23"
46 BELTRAN Manuel ESP USP +1h26’28"
47 ROBIN Jean-Cyril FRA FDJ +1h32’06"
48 NARDELLO Daniele ITA TMO +1h35’26"
49 PEREZ Santiago ESP PHO +1h35’54"
50 OSA Aitor ESP IBB +1h38’38"
51 GUTIERREZ José-Ivan ESP IBB +1h39’16"
52 LANDALUZE Inigo ESP EUS +1h39’52"
53 SCHOLZ Ronny GER GST +1h42’44"
54 SERRANO Marcos ESP LST +1h42’53"
55 LUDEWIG Jorg GER SAE +1h44’57"
56 VANDEVELDE Christian USA LST +1h48’11"
57 IVANOV Serguei RUS TMO +1h49’51"
58 BETTINI Paolo ITA QSD +1h50’10"
59 ZABEL Erik GER TMO +1h50’21"
60 FLORES Iker ESP EUS +1h50’49"
61 O'GRADY Stuart AUS COF +1h51’41"
62 ASTARLOZA Mikel ESP A2R +1h55’04"
63 KIRCHEN Kim LUX FAS +1h55’52"
64 PERON Andrea ITA CSC +1h56’29"
65 NIERMANN Grischa GER RAB +1h57’25"
66 NOVAL-GONZALEZ Benjamin ESP USP +1h57’41"
67 DUFAUX Laurent SUI QSD +1h58’22"
68 BRUSEGHIN Marzio ITA FAS +1h59’21"
69 ALDAG Rolf GER TMO +2h02’55"
70 MOLLER Claus-Michael DEN ALB +2h04’01"
71 CALZATI Sylvain FRA RAG +2h09’34"
72 PORTAL Nicolas FRA A2R +2h09’45"
73 NOZAL Isidro ESP LST +2h10’33"
74 BOOGERD Michael NED RAB +2h10’39"
75 BOTERO Santiago COL TMO +2h12’32"
76 FEDRIGO Pierrick FRA C.A +2h13’14"
77 ETXEBARRIA David ESP EUS +2h14’42"
78 LANG Sebastian GER GST +2h15’31"
79 PADRNOS Pavel CZE USP +2h16’19"
80 EKIMOV Viatceslav RUS USP +2h16’44"
81 GRABSCH Bert GER PHO +2h17’14"
82 JALABERT Nicolas FRA PHO +2h18’42"
83 SALMON Benoit FRA C.A +2h24’49"
84 MENGIN Christophe FRA FDJ +2h25’08"
85 DA-CRUZ Carlos FRA FDJ +2h25’43"
86 GARCIA-ACOSTA Vicente ESP IBB +2h26’14"
87 FOFONOV Dmitriy KAZ COF +2h26’22"
88 SORENSEN Nicki DEN CSC +2h27’39"
89 SCANLON Mark IRL A2R +2h27’49"
90 LOTZ Marc NED RAB +2h29’48"
91 ETXEBARRIA Unai VEN EUS +2h30’37"
92 RINERO Christophe FRA RAG +2h31’34"
93 FLECHA Juan-Antonio ESP FAS +2h33’38"
94 BARANOWSKI Dariusz POL LST +2h33’54"
95 KRIVTSOV Yuriy UKR A2R +2h34’16"
96 SUNDERLAND Scott AUS ALB +2h35’20"
97 ZANDIO Xabier ESP IBB +2h35’48"
98 DAVIS Allan AUS LST +2h36’16"
99 NOE Andrea ITA ALB +2h36’36"
100 MOERENHOUT Koos NED LOT +2h36’48"
101 MARICHAL Thierry BEL LOT +2h37’58"
102 BENETEAU Walter FRA BLB +2h38’36"
103 CHARTEAU Anthony FRA BLB +2h41’31"
104 HUSHOVD Thor NOR C.A +2h42’45"
105 LOOSLI David SUI SAE +2h44’24"
106 HONDO Danilo GER GST +2h46’54"
107 FARAZIJN Peter BEL COF +2h46’56"
108 ELMIGER Martin SUI PHO +2h47’22"
109 CANCELLARA Fabian SUI FAS +2h48’42"
110 TOSATTO Matteo ITA FAS +2h49’06"
111 DE-GROOT Bram NED RAB +2h49’33"
112 WAUTERS Marc BEL RAB +2h50’16"
113 WROLICH Peter AUT GST +2h51’06"
114 RENIER Franck FRA BLB +2h53’16"
115 KROON Karsten NED RAB +2h53’22"
116 POZZATO Filippo ITA FAS +2h54’55"
117 HRUSKA Jan CZE LST +2h56’01"
118 SIMEONI Filippo ITA DVE +2h56’30"
119 MARTIN Ludovic FRA RAG +2h59’00"
120 BOONEN Tom BEL QSD +2h59’07"
121 MORI Massimiliano ITA DVE +2h59’12"
122 MCEWEN Robbie AUS LOT +2h59’18"
123 ARVESEN Kurt-Asle NOR CSC +3h00’35"
124 COMMESSO Salvatore ITA SAE +3h01’21"
125 PESCHEL Uwe GER GST +3h01’36"
126 ZANINI Stefano ITA QSD +3h01’39"
127 DEAN Julian NZL C.A +3h02’09"
128 BOUVARD Gilles FRA RAG +3h03’28"
129 GUESDON Frédéric FRA FDJ +3h03’40"
130 BOURQUENOUD Pierre SUI RAG +3h04’47"
131 EISEL Bernhard AUT FDJ +3h05’44"
132 LJUNGQVIST Marcus SWE ALB +3h07’51"
133 DEKKER Erik NED RAB +3h07’54"
134 LAURENT Christophe FRA RAG +3h09’38"
135 BALDATO Fabio ITA ALB +3h10’46"
136 AUGER Guillaume FRA RAG +3h11’10"
137 NAZON Jean-Patrick FRA A2R +3h13’10"
138 ENGOULVENT Jimmy FRA COF +3h13’55"
139 COOKE Baden AUS FDJ +3h15’45"
140 VANSEVENANT Wim BEL LOT +3h22’15"
141 EDALEINE Christophe FRA COF +3h22’39"
142 KNAVEN Servais NED QSD +3h23’07"
143 SECCHIARI Francesco ITA DVE +3h25’37"
144 WILSON Matthew AUS FDJ +3h36’31"
145 FINOT Frédéric FRA RAG +3h39’21"
146 JOLY Sébastien FRA C.A +3h43’18"
147 CASPER Jimmy FRA COF +3h55’49"

Ondas não derrubam Paredes

Para ele todos os superlativos convergem: o maior guitarrista português, o mais genial compositor, o mais virtuoso executante, o mais inspirado intérprete. Tão grande quanto o talento só a modéstia. Carlos Paredes, funcionário administrativo, músico nas horas vagas, que gostava de hambúrgueres do McDonalds, de ler BD e tratava toda a gente por «o meu amigo». Esta é a sua história, em ano de muitas homenagens a uma das Paredes mestras da nossa cultura
Ana Margarida de Carvalho / VISÃO nº 521    27 Fev. 2003

Usa-se o pretérito imperfeito e parece estranho. Torna-se desconfortável, quase cruel. Não é habitual aplicar este tempo verbal a alguém que continua vivo. E, no entanto, não pode deixar de ser. Carlos Paredes tocava. As doze cordas da guitarra portuguesa, e a alma, bem lá no fundo, de quem o escutava. Desde há dez anos que todos os elogios soam a póstumos, todos os depoimentos sugerem encomendas fúnebres e todas as homenagens parecem a última. Desde há dez anos que o músico está acamado num lar de Campo de Ourique, a extinguir-se lenta e silenciosamente de uma doença neurológica que lhe afecta a espinal medula. Este é agora o seu Dó Maior.
Emparedado no seu próprio mundo, às vezes abrem-se brechas, fissuras de lucidez, alguns monossílabos, poucos sorrisos para os poucos que ainda o visitam. Completamente dependente, faltam-lhe forças até para segurar a colher. Manifesta-se com apertos de mão, com um olhar mais iluminado, despertam-se-lhe alguns sentidos, alguma lembrança fugaz lhe assoma ao espírito, memórias furtivas, reconhece alguém, emociona-se - mas depois esquece.
«O estar bom no caso dele é não estar pior. A doença entrou num processo irreversível, não há nada que se possa fazer por ele fisicamente, nenhum medicamento caro que se possa comprar», diz Luísa Amaro, acompanhante na viola e na vida, visita de quase todos os dias. Apesar de tudo, «está em estado de graça», não tem sofrimento físico. Há tempos fê-lo ouvir o disco de Gonçalo Pereira. «Então, aprova?» Carlos Paredes nunca gostou de imitações, acha que não têm valor nenhum, mas aprecia as recriações, a sua música reaparecida sob outras respirações, outras formas de sentir. «Aprovo», conseguiu responder. Quando há dias lhe foram mostrados recortes de jornais que descreviam o recente concerto (Mário Laginha, Ana Sadio, Jorge Gomes, entre outros) de comemoração do seu 78.º aniversário - que aconteceu na primeira escola que frequentou, o Jardim-Escola João de Deus, em Coimbra, cidade berço -, dois sorrisos raros atravessaram a cara do mestre.
«Apesar de tudo, vale a pena. É tão importante que se façam estas iniciativas, esta passagem da sua música para as novas gerações, enquanto ele está vivo. Agora é que é importante, não depois de morto. Afinal, com tantos anos de silêncio, ele tem-nos dado a oportunidade de lhe agradecer», continua Luísa Amaro. Durante o concerto, numa das paredes do jardim-escola pontificava uma foto de dois metros (a mesma, que abre estas páginas). Dizia-se entre a assistência que «se sentia a presença de Carlos Paredes»...
E este foi o primeiro dos muitos «presentes» que a Comissão Movimentos Perpétuos pretende oferecer a Carlos Paredes ao longo de 2003. Presentes especiais, «que o façam sentir como ele é - único». Cerca de cem artistas de várias áreas vão «retribuir-lhe movimentos perpétuos». Pretextos para evocar a obra? Como se fossem precisos pretextos para lembrar a música de Carlos Paredes.
Paredes com um homem dentro
O pequeno Carlos nasceu (16 de Fevereiro de 1925) umbilicalmente ligado à guitarra portuguesa. Uma espécie de profecia genética em curso, desde há cinco gerações. O pai Artur tocava, o avô Gonçalo tocava, até a mãe Alice, melodias simples para o adormecer. «A guitarra costumava estar sempre pendurada a um canto da sala lá de casa.» Artur Paredes, empregado bancário e músico amador, foi quem conferiu autonomia de solista ao instrumento. A guitarra portuguesa emancipou-se enfim daquele triste fado, o de ser sempre subalterna, a segunda voz, eterna acompanhante. Ganhou estatuto de protagonista. Não na linha piegas e lamurienta de algum fado de Lisboa, a guitarra de Coimbra mostrou que também conseguia exprimir rebelião, força e até «uma violência tremenda». Conta Octávio Fonseca Silva na biografia Carlos Paredes, a Guitarra de um Povo (Mundo da Canção), que Artur Paredes afinava as cordas um tom e meio abaixo das guitarras de Lisboa. Carlos Paredes bebeu a experiência paterna e no álbum Espelho de Sons (1988) chegou a afinar dois abaixo.
Os Paredes tinham, de facto, ouvido - no caso de Carlos ele era absoluto. A ponto de a mãe (professora liceal) ter encaminhado o filho para instrumentos mais nobres como o violino e o piano. Na altura, a família já estava definitivamente instalada em Lisboa. A professora de violino insistia para que o jovem largasse a guitarra porque ela lhe causava desequilíbrios na técnica. Afinal, foi o violino que Carlos Paredes abandonou, não sem antes colher daquelas aulas a formação teórica e clássica. «Evitei ser um violinista medíocre e posso ser um guitarrista aceitável», era o máximo até onde a sua incontida modéstia lhe permitia ir.
Principiante naquele desvendar da teia das cordas, Paredes tinha em casa o melhor dos mestres. No entanto, o pai limitou-se a ensinar-lhe como segurar no instrumento e algumas posições. Daí para a frente, Carlos partiu à descoberta. Aos 14 anos acompanhava Artur Paredes num programa semanal da Emissora Nacional. Às vezes tinham desentendimentos musicais. «O meu pai chamava-me péssimo acompanhador, porque o fazia andar atrás de mim.»
Não terá sido fácil ao jovem músico libertar-se da figura tutelar paterna. Costumava dizer que o pai Artur tocava o Mondego, enquanto ele Carlos tocava o Tejo. O primeiro disco a solo chegou tardiamente, muito depois de ter alcançado a maturidade artística, aos 37 anos. Poucas obras surgiriam desde então, muitas mais caberiam em quase cinco décadas de carreira.
Com um grau quase missionário de generosidade, Carlos Paredes aceitava tocar nos sítios mais remotos, nas mais inimagináveis condições acústicas, exibia-se modestamente em tudo quanto era colectividade local e liceu. Alturas houve em que o mestre nem parava para compor, actuava em espectáculos nos mais diversos países de Leste, corria o País de norte a sul, eram os tempos de militância activa no PCP e da intervenção cívica do PREC. Comenta Octávio Fonseca Silva: «Por estranho que pareça, até 1984 não realizou um único concerto em Portugal sob a sua exclusiva responsabilidade. Parece algo anedótico mas, para ser devidamente reconhecido no seu país teve de dar provas do seu talento no Olympia de Paris, na Ópera de Sydney, na Exposição Mundial de Osaka e em tantas outras grandes salas do mundo.»
No estrangeiro a carreira foi engrossando como uma bola de neve, mas não chegou a avalancha. Aqui e ali «criou amigos», gostava de dizer. O seu nome nunca foi internacionalmente conhecido, como o de Amália, explica Luísa Amaro, mas tinha o seu público, «era respeitado nos meios intelectuais e dos festivais; estava justamente a receber os retornos internacionais da sua carreira quando adoeceu». Um dos seus discos chegou a ser tocado como som de fundo, antes do início dos concertos de Paul McCartney durante uma digressão mundial nos anos 90. Tinha agendado encontros com os Kronos Concert, com Ravie Shankar e até com Astor Piazzola... «Acho que adoeceu na altura errada», diz Luísa Amaro.
Com Verdes Anos (1962), talvez a sua mais genial composição de sempre, banda sonora do filme de Paulo Rocha, o músico ficará para sempre associado ao cinema novo português. Na confluência entre a música erudita e a popular, pressente-se nas suas guitarradas a inquietação, a angústia e a revolta contra o regime salazarista.
Vinte anos depois, o bailarino Vasco Wellenkamp coreografa Carlos Paredes. O guitarrista está ao vivo no palco do Ballet Gulbenkian e com ele parte em digressões pelo mundo. Apaixona-se pela dança: «Já não vou conseguir pensar na música da mesma maneira; a música não está apenas na pauta e nos nossos dedos», disse a Alice Vieira. «Os bailarinos respiram a música que se toca. Às vezes penso neles como instrumentos de alta precisão.» Por seu lado, os bailarinos quando dançavam Paredes tinham «a sensação de vir a correr por Lisboa abaixo até chegar ao Tejo. E levantar voo».
Génio atrás de secretária
A carreira de Paredes foi um constante improviso. A vida não tanto. Manteve até à reforma (Novembro de 1986), o emprego de sempre: funcionário administrativo, arquivista de radiografias do Hospital de S. José. Chegou a chefe de secção. Gostava demasiado da música para viver à custa dela, dizia. «Gosto de abraçar a música como se abraça alguém que se ama.» Um músico amador, no mais puro sentido da palavra. Uma vez, ele e Luísa Amaro estavam a ser entrevistados na rádio de Pequim: «Perguntaram-me o que eu fazia e disse-lhes que vivia da música. Carlos Paredes respondeu "e eu sou funcionário público"», conta Luísa. Já o pai tinha alguma relutância em aceitar dinheiro pelas actuações em público. Encarava a guitarra como um instrumento de convívio. «Sentir-me-ia limitado se vivesse isoladamente a música. Ela está ligada à experiência de contacto com a vida.» Luísa Amaro pensa que foi uma atitude sábia, esta de não se amarrar a dependências financeiras. Criticavam-no por ir para o emprego de autocarro e de Metro: «Não percebem que se eu não andasse em contacto com as pessoas não fazia as músicas que faço.»
É na secretaria do hospital que a Pide o vai encontrar, numa manhã de Setembro de 1958. Interrogado, torturado, não diz uma única palavra. Encarcerado no Aljube, depois em Caxias, deixa de poder tocar guitarra, sente-se como se lhe «tivessem cosido a boca». Estão uma dúzia numa sala para meia. Carlos Paredes isola-se, não fala com ninguém, passeia de lá para cá e faz movimentos estranhos. Os camaradas temem que ele tenha perdido o juízo. Conta Severiano Falcão, preso com ele na altura, que Carlos Paredes, afinal, estava demasiado embrenhado a compor e a tocar mentalmente.
Saído da prisão, 18 meses depois, Paredes é expulso da Função Pública por pertencer ao PCP. Até ao 25 de Abril, altura em que é reintegrado, exerce a profissão de delegado de propaganda médica.
«Sou um simples guitarrista», respondia até há uns anos trás, ainda as frases se lhe soltavam, ao pessoal do lar impressionado com as personalidades que se cruzavam no seu quarto, de Amália Rodrigues a Álvaro Cunhal. Dono de uma modéstia exacerbada, Carlos Paredes transferia para os outros os elogios que lhe dirigiam, inventava mil álibis para o seu virtuosismo, confessava depois dos concertos os enganos que mais ninguém notava, quase que se envergonhava pelo talento que tinha. Sempre muito afável, com uma delicadeza exuberante, entre vénias e gentilezas, Carlos Paredes lá ia pedindo desculpas por existir. Gostava de conversar mas estacava perante o gravador, o bloco de notas e a responsabilidade de prestar declarações públicas. Um ano antes de ser internado, confessou a António Costa Santos do Expresso, perante um olhar cúmplice de «não há nada a fazer» de Luísa Amaro: «Eu por exemplo... Não diga nada disto, mas já me tem acontecido fazer pessoas chorar enquanto toco... e eu não compreendia isso, mas depois percebi que é a sonoridade da guitarra mais do que a música, ou como se toca, que emociona as pessoas.» Admirava-se que o admirassem a ele. «Toco guitarra, as pessoas gostam de ouvir. Juntamo-nos. Tocamos. E assim vamos vivendo», disse numa entrevista a Júlio Magalhães à Pública. Quando lhe pediam para tirar fotografias com a guitarra, Carlos Paredes começava automaticamente a tocar, mesmo sabendo que a película não absorve os sons. Era mais forte do que ele, o instinto.
Mestre sem discípulos
Em 1990, Carlos Paredes voou até ao Rio de Janeiro para fazer um recital na Sala Cecília Meirelles, «um templo da música de câmara». No final do concerto, um grupo de músicos da Orquestra de Cordas Brasileiras entrou na fila de cumprimentos. Levavam o recém-lançado disco para oferecer ao mestre. «Quando chegou a nossa vez, ele foi muito simpático e, num gesto enérgico que não deu tempo de suster, pegou no nosso LP, autografou-o e devolveu-nos.» A história é descrita em livro pelo brasileiro Henrique Cazes; a proverbial distracção de Carlos Paredes também atravessou o Atlântico. Desfiam-se episódios do género: a vez em que Paredes deu uma volta de 360 graus numa porta giratória, quando colocava o pano de limpar a guitarra em cima do microfone ou se punha à conversa sobre as unhas com a mais formal das plateias. Grande, um metro e oitenta, desajeitado, displicentemente vestido, desorientava-se no espaço, olhava para os pés, mas nunca se tornava ridículo. Ninguém se ria dele, talvez por nunca ter assumido a postura de estrela. As plateias respeitavam-no como a um génio. Um génio distraído. Luísa Amaro foi muitas vezes a sua ligação à terra. Uma noite, tinha entre a assistência, no Teatro Nacional D. Maria II, a Rainha de Inglaterra. Chegada a hora dos cumprimentos oficiais, Carlos Paredes ia-se deixando ficar para trás. A Rainha aproximava-se e o guitarrista recuava, para grande contrariedade do fotógrafo Eduardo Gageiro que tentava enquadrar a ocasião. Fazia-lhe perguntas e ele não respondia. Luísa Amaro foi em seu socorro. A Rainha pediu-lhe para lhe mostrar as mãos, e Carlos Paredes cada vez mais abismado. «Que mãos tão grandes e que unhas tão fortes, parecem de marfim», comentou. E de facto assim eram. Quem não tem unhas não toca guitarra, é bem verdade, Carlos Paredes nunca precisou delas postiças. «Ele só podia ter sido guitarrista», conclui Luísa Amaro.
Na guitarra descobriu a sua própria e inconfundível voz. O seu talento era pessoal e intransmissível. Achava-se incapaz de ensinar. Era um mestre sem discípulos. Também tinha dificuldades em interagir com outros músicos. Tocava simplesmente, quem quisesse que o seguisse. «Ele compunha para aquele instrumento de uma forma muito interna, respondia às necessidades da guitarra, quase como um respirar», continua Luísa Amaro. Os discos de parceria com o contrabaixista Charlie Haden e António Victorino d"Almeida foram, diz-se, mais desencontros do que encontros, os músicos não pisaram terrenos comuns. Paredes tocava «como um bloco maciço de individualidade artística em torno do qual o seu parceiro de ocasião parece esvoaçar sem nunca nele conseguir verdadeiramente penetrar», explica Rui Viera Nery na introdução de uma caixa de oito CDs, O Mundo Segundo Carlos Paredes, saída por coincidência este ano, embora à margem dos projectos da Movimentos Perpétuos. Também por coincidência, Mísia começa em breve a gravar um disco com música de Paredes e letras encomendadas a vários poetas.
«Toca como ninguém um instrumento que ninguém toca», referiu em tempos Victorino d"Almeida. José Carlos de Vasconcelos recorda a primeira vez que o viu/ouviu no Teatro Avenida, em Coimbra: «Perdido entre tanta malta e entre tanto entusiasmo, vendo aquele autêntico milagre da natureza, eu pensei, juro que pensei: "Este homem tem mil dedos". Mas depois vi que não eram mil dedos, apenas dez, geniais, mas humaníssimos. Por isso ele era tão grande.»
Mário Laginha revelou em Coimbra a música composta a pensar em Paredes («Tinha de ser simples e sem grandes recursos harmónicos»). Ainda vai desenvolvê-la e Maria João cantá-la, para a gravar num CD duplo com vários músicos a homenagear Paredes. Diversas vezes se cruzou com ele. «Falava de música com uma dedicação rara. Hoje, quando se conversa sobre música fala-se em eficiência, discute-se se é vendável, se o mercado está preparado. Ele falava de música com os pés levantados da terra.» Recorda uma tarde em S. Miguel, à porta do hotel, Mário Laginha de saída para ir estudar uma peça de Shumann, antes do exame final de piano. Começaram em Shumann e terminaram duas horas depois até onde a música os levou. Acompanhá-lo à conversa «era fascinante», mais difícil era acompanhá-lo em palco. «Não era um handicap, nem desprezo pelos outros músicos. Ele era mesmo assim, a sua música tinha aquele pulsar, não sabia tocar de outra maneira. Querer que ele não tocasse assim seria como pôr uma águia numa gaiola, ela tem de voar.» Não se pode emparedar o Paredes.
O Dó Maior de Paredes
Gostava de falar de tudo, menos de si próprio. «Nunca o ouvi dizer mal fosse de quem fosse. E para isso é preciso ter alguma disciplina interior, todos temos tendência para a má-língua, ele não. Quando ouvia qualquer coisa desagradável, dizia que não tinha importância», lembra Luísa Amaro. Não chamava as pessoas por você, isso feria a sua sensibilidade delicada, tratava-as por «os meus amigos». Mantinha-se informado, era capaz de discorrer sobre escultura de gelo com um artista finlandês ou sobre a Madonna, quando instado pelos questionários dos jornais. Adorava hambúrgueres do McDonalds, devorava-os em série, «como um aspirador», gostava de ler Banda Desenhada, de ir ao Frágil beber um sumo de laranja e ao Alcântara comer sopa de frutos exóticos. Agora, na sua cama do lar, ele poucos ecos recebe do mundo. A sua guitarra silenciou-se. Mas os aplausos podem perpetuar-se. Pelo menos, foi isso que sentiram os Movimentos quando se aperceberam do entusiasmo da adesão em massa para as iniciativas propostas (em contraste, aliás, com o desinteresse das autoridades oficiais). O que era suposto confinar-se ao mês de aniversário, cresceu para o ano inteiro. Além do CD duplo, estão envolvidos artistas plásticos, realizadores, fotógrafos, ilustradores, jornalistas, escritores, amigos, conhecidos, gente que já tinha ouvido falar, anónimos, consagrados. Todos com um objectivo comum: agradecer a Paredes, «que deu tanto, sem pedir nada em troca». Através de uma mega-exposição, um ciclo na Cinemateca, um livro colectivo com as ilustrações de toalha de mesa de Carlos Paredes, álbuns de BD... O objectivo mais materialista é angariar fundos. Para proceder à recolha de todo o material relacionado com o mestre, para a construção de um site e para caixas-expositoras que retenham a temperatura e a humidade adequada à conservação das nove guitarras.
Se pudesse, Paredes dedilhava as cordas com as «suas unhas de marfim», extraía delas aqueles rendilhados poéticos e terminava o seu Discurso, como no Espelho de Sons: «Tenho Dito». Mas o mais provável era virar-se para os organizadores e dizer, «Não vale a pena, os meus amigos não precisavam de fazer tudo isto.»

© Copyright VISAOONLINE / Edição nº 521

2004-07-23

Carlos Paredes Morreu. Biografia e notícias.

Três artigos com biografia e testemunhos: 

1) Calou-se a guitarra com dedos de homem
2) Morreu Carlos Paredes
3) Morreu Carlos Paredes «Chorai, guitarras chorai».

________________________________________________________________ 
1) Calou-se a guitarra com dedos de homem
Carlos Paredes morreu vítima de doença prolongada
Artigo de João Almeida, jornalista SIC in
:
http://sic.sapo.pt/index.php?article=4127&visual=3&area_id=6#

Morreu Carlos Paredes. O mago da guitarra portuguesa foi vítima de doença prolongada. O homem que Amália considerava um monumento nacional, tinha 79 anos. A SIC Online relembra aqui o perfil do grande guitarrista.
SIC
Não é por acaso que os amigos de Carlos Paredes se referem a ele com certas palavras... como se estivessem combinados. Sobre o homem e sobre a música, é unânime o espanto no momento em que o escutaram pela primeira vez. O jornalista José Carlos Vasconcelos ouviu-o no Teatro Avenida em Coimbra: "Foi um choque para mim como para toda a gente. Todo ele era nervos, emoção, coração. Parecia que tinha mil dedos!" O técnico de som da Valentim de Carvalho, Hugo Baptista, também não queria crer no som que saltava da guitarra de Carlos Paredes no momento de gravar um disco: "Eu ouvia-o e pensava: mas como é que é possível? Eu não percebia como é que ele tirava da guitarra aquele som todo... era a força com que ele tocava, e nem lhe saía uma nota desafinada. Era extraordinário!" Carlos Paredes compôs o primeiro tema de referência, "Movimento Perpétuo", quando tinha 11 anos, em 1936. Muito depois, em 1958, é preso pela PIDE, acusado de pertencer ao Partido Comunista, e passa um ano e meio em Caxias. Um dos companheiros de cela, Severiano Falcão ainda hoje recorda os dias e dias seguidos em que Carlos Paredes percorria a cela, dum lado para o outro, fazendo gestos como se tivesse uma guitarra na mão, enquanto explicava: "Ando a compor música! Por isso é que eles dizem que eu sou maluco!" Paredes, contudo, não gostava de falar dos tempos em que esteve preso. Dizia que não era relevante porque outros tinham sofrido mais do que ele. Depois do 25 de Abril foi reintegrado no Hospital de São José, onde trabalhava numa sala como mero arquivista de radiografias. Uma das ex-colegas, Rosa Semião, recorda-se da mágoa do guitarrista devido à denúncia de que foi alvo, a partir dos desenhos e dos escritos que escondia na secretária do gabinete de trabalho, e onde criticava o regime do Estado Novo: "Para ele foi uma traição, ter sido denunciado por um colega de trabalho do hospital. E contudo, mais tarde, ao cruzar-se com um dos homens que o denunciou, não deixou de o cumprimentar, revelando uma enorme capacidade de perdoar!" O carácter do músico, por outro lado, era rigoroso. Paredes quase nunca se separava da guitarra. Quando, certa vez, isso aconteceu, durante uma viagem aos Estados Unidos, devido ao atraso do avião que era suposto transportar o instrumento, o guitarrista desabafou com o amigo e jornalista José Carlos Vasconcelos: "Fiquei de tal modo transtornado que cheguei a pensar matar-me!" No prisma musical, Paredes conferiu à guitarra, tradicionalmente tida, apenas, como mero instrumento de acompanhamento, um estatuto de primeira grandeza, objecto de concertos executados por ele mesmo um pouco por todo o mundo: na Ópera de Frankfurt, no Olympia de Paris, no Japão... um perfil cosmopolita particularmente inesperado da parte dum simples arquivista que nunca deixou de se considerar funcionário público. Certa vez perguntaram-lhe porque razão não se dedicava exclusivamente à guitarra. Carlos Paredes respondeu: "Porque gosto demasiado da música para viver às custas dela". Um músico que, antes de adoecer, escolheu o seu próprio epitáfio: "Aquilo de que eu gostava, realmente, era que, se alguém ouvisse um disco meu, daqui a muitos anos, pensasse que eu tinha conseguido retratar, de algum modo, esse tempo."

 
Do Jornal de Notícias edição digital, in:
http://jn.sapo.pt/2004/07/23/ultimas/sexparedes.html

2) Morreu Carlos Paredes

O mestre da guitarra portuguesa Carlos Paredes morreu com "a tranquilidade de quem sabe que está com a missão cumprida", disse hoje à agência Lusa Luísa Amaro, companheira de Paredes desde há 20 anos. Pai de seis filhos, Carlos Paredes padecia de doença degenerativa que o deixou acamado durante 11 anos, acabando por morrer às 5:45 de hoje, dois dias depois de um dos rins ter deixado de funcionar."Chegou ao ponto em que o organismo não podia dar mais. Anteontem um dos rins deixou de funcionar", afirmou a companheira de Paredes, que desde 1983 o acompanhou à guitarra clássica."Portugal teve no Carlos Paredes a genialidade, sensibilidade, poder de composição, uma belíssima técnica, e interpretação. Ele cumpriu os pontos que tinha a cumprir nesta passagem pela terra", disse Luísa Amaro.Era um homem "muito bom e muito simples", que deu uma contribuição muito grande para a cultura portuguesa, disse Luísa Amaro, adiantando que quem ouve a música de Carlos Paredes reconhece-a de imediato.Há 10 anos que deixou de produzir obra, mas ao longo deste período a sua música ajudou a caminhar para a frente a nova geração de músicos, que lhe dedicou muita coisa, disse Luísa Amaro.Lutador pela liberdade e pela democracia, o génio da música portuguesa foi preso pela PIDE, que o manteve enclausurado durante dois anos.
O corpo de Carlos Paredes estará em câmara ardente na Basílica da Estrela, desconhecendo-se para já a hora e o local do enterr.O mestre da guitarra portuguesa Carlos Paredes morreu hoje às 6:00 aos 79 anos, em Lisboa, após doença prolongada, disse à agência Lusa uma fonte da Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, onde o compositor estava internado.
Carlos Paredes nasceu em Coimbra a 16 de Fevereiro de 1925, tendo dedicado quase toda a sua vida à guitarra portuguesa.Filho e neto dos guitarristas Artur e Gonçalo Paredes, Carlos Paredes começou a estudar guitarra portuguesa aos quatro anos, aprendendo a tocar com o pai, apesar de a mãe querer que estudasse piano.Em 1934, com nove anos, muda-se para Lisboa com a família, onde em 1957 grava o seu primeiro disco, a que chamou simplesmente "Carlos Paredes". Três anos depois a sua música é utilizada como banda sonora no filme "Rendas de Metais Preciosos", de Cândido da Costa Pinto.Pelo caminho compõe a banda sonora de outros filmes, como "Verdes Anos", de Paulo Rocha, em 1962, "Fado Corrido", de Jorge Brum do Canto, em 1964, e a de "As pinturas do meu irmão Júlio", em 1965.Em 1967, edita "Guitarra Portuguesa", o seu primeiro álbum, com Fernando Alvim à viola, e no ano seguinte "Romance Nº 2", "Fantasia", "Porto Santo" e "Guitarra Portuguesa".Três anos depois, em 1971, grava o disco "Movimento Perpétuo".Na altura da revolução dos cravos, durante e após Abril de 1974, toca em diversos pontos do país, só voltando a editar um disco em 1987, quando saiu "Espelho de Sons".No entanto, em 1975 edita "É preciso um país", poemas lidos por Manuel Alegre acompanhados à guitarra por Carlos Paredes.Até à década de 90 conciliou a guitarra com a sua actividade como administrativo no Hospital de São José, Lisboa."As pessoas gostam de me ouvir tocar guitarra, a coisa agrada-lhes e eles aderem. Não há mais nada", disse ao Público em Março de 1990.Em Dezembro de 1993 é-lhe diagnosticada uma mielopatia, doença que lhe atacou a estrutura óssea e que o impediu de tocar a guitarra, tendo ficado internado desde então na Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, em Campo de Ourique, Lisboa.

 

3) Morreu Carlos Paredes
«Chorai, guitarras chorai». Aos 79 anos e após mais de uma década doente, o grande mestre da guitarra portuguesa morreu, deixando uma obra notável
VISAOONLINE    23 Jul. 2004
In http://visaoonline.clix.pt/paginas/conteudo.asp?CdConteudo=35174

No nosso arquivo
Ondas não derrubam paredes
  
O mestre da guitarra portuguesa Carlos Paredes morreu esta sexta-feira, 23, aos 79 anos, em Lisboa, após doença prolongada, disse à agência Lusa uma fonte da Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, onde o compositor estava internado.
Carlos Paredes nasceu em Coimbra a 16 de Fevereiro de 1925, tendo dedicado quase toda a sua vida à guitarra portuguesa.
Carlos Paredes morreu com «a tranquilidade de quem sabe que está com a missão cumprida», disse à agência Lusa Luísa Amaro, companheira de Paredes desde há 20 anos.
Pai de seis filhos, Carlos Paredes padecia de doença degenerativa que o deixou acamado durante 11 anos, acabando por morrer às 5h45 de hoje, dois dias depois de um dos rins ter deixado de funcionar.
«Chegou ao ponto em que o organismo não podia dar mais. Anteontem um dos rins deixou de funcionar», afirmou a companheira de Paredes, que desde 1983 o acompanhou à guitarra clássica.
«Portugal teve no Carlos Paredes a genialidade, sensibilidade, poder de composição, uma belíssima técnica, e interpretação. Ele cumpriu os pontos que tinha a cumprir nesta passagem pela terra», disse Luísa Amaro.
Era um homem «muito bom e muito simples», que deu uma contribuição muito grande para a cultura portuguesa, disse Luísa Amaro, adiantando que quem ouve a música de Carlos Paredes reconhece-a de imediato.
Há 10 anos que deixou de produzir obra, mas ao longo deste período a sua música ajudou a caminhar para a frente a nova geração de músicos, que lhe dedicou muita coisa, disse Luísa Amaro.
Lutador pela liberdade e pela democracia, o génio da música portuguesa foi preso pela PIDE, que o manteve enclausurado durante dois anos.
O corpo de Carlos Paredes estará em câmara ardente na Basílica da Estrela, desconhecendo-se para já a hora e o local do enterro.
Filho e neto dos guitarristas Artur e Gonçalo Paredes, Carlos Paredes começou a estudar guitarra portuguesa aos quatro anos, aprendendo a tocar com o pai, apesar de a mãe querer que estudasse piano.
Em 1934, com nove anos, muda-se para Lisboa com a família, onde em 1957 grava o seu primeiro disco, a que chamou simplesmente «Carlos Paredes».
Três anos depois a sua música é utilizada como banda sonora no filme «Rendas de Metais Preciosos», de Cândido da Costa Pinto. Pelo caminho compõe a banda sonora de outros filmes, como «Verdes Anos», de Paulo Rocha, em 1962, «Fado Corrido», de Jorge Brum do Canto, em 1964, e a de «As pinturas do meu irmão Júlio», em 1965.
Em 1967, edita «Guitarra Portuguesa», o seu primeiro álbum, com Fernando Alvim à viola, e no ano seguinte «Romance Nº 2», «Fantasia», «Porto Santo» e «Guitarra Portuguesa». Três anos depois, em 1971, grava o disco «Movimento Perpétuo».
Na altura da revolução dos cravos, durante e após Abril de 1974, toca em diversos pontos do país, só voltando a editar um disco em 1987, quando saiu «Espelho de Sons».
Além dos discos e dos concertos, os sons da guitarra de Carlos Paredes chegaram também ao cinema e ao bailado através de cineastas como Paulo Rocha, Augusto Cabrita e Manoel de Oliveira e do coreógrafo Vasco Wellenkamp.
Cândido da Costa Pinto foi o primeiro realizador a aproveitar a música do compositor e guitarrista na curta-metragem «Rendas de Metais Preciosos», datada de 1960.
Dois anos depois, Carlos Paredes compôs a obra sonora do filme de Paulo Rocha «Verdes Anos», e, na mesma altura, em 1962, a sua música sonorizou uma curta-metragem de Pierre Kast e Jacques Doniol- Valcroze.
A banda sonora de «Fado Corrido», filme de Jorge Brun do Canto, de 1964, ficou também a cargo do guitarrista que, um ano depois, voltou a compor para «As Pinturas do meu Irmão Júlio», uma curta-metragem de Manoel de Oliveira.
Em 1966, o músico compõe para o filme de Paulo Rocha «Mudar de Vida», ao mesmo tempo que alguma da sua obra é aproveitada por António de Macedo na sua curta-metragem «Crónica do Esforço Perdido».
José Fonseca e Costa e Manuel Guimarães foram outros realizadores a quererem os sons da guitarra de Carlos Paredes para sonorizarem «A Cidade» e «Tráfego e Estiva», respectivamente, em 1968.
Um ano depois, José Fonseca e Costa volta a sonorizar um filme seu - «The Columbus Route» - com música do guitarrista e, em 1970, é a vez de Augusto Cabrita, na obra «Hello Jim».
Também no teatro se ouviu a obra de Carlos Paredes. Em 1971, Carlos Paredes compôs a música da peça «O Avançado Centro Morreu ao Amanhecer», da autoria de Augustin Cuzzani, interpretada pelo Grupo de Teatro de Campolide, que até 1977 contou com as escolhas musicais do músico.
«Danças para uma Guitarra», o bailado coreografado por Vasco Wallenkamp, marcou em 1982, a estreia da música de Carlos Paredes nestes palcos.
Até à década de 90, Carlos Paredes conciliou a guitarra com a sua actividade como administrativo no Hospital de São José, Lisboa.
«As pessoas gostam de me ouvir tocar guitarra, a coisa agrada-lhes e eles aderem. Não há mais nada», disse ao Público em Março de 1990.
Em Dezembro de 1993 é-lhe diagnosticada uma mielopatia, doença que lhe atacou a estrutura óssea e que o impediu de tocar a guitarra, tendo ficado internado desde então na Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, em Campo de Ourique, Lisboa.

Reacções
Manuel Alegre
O deputado socialista Manuel Alegre recordou o guitarrista Carlos Paredes como um «homem de génio» que "deu uma dimensão universal à guitarra portuguesa".
Manuel Alegre gravou, em 1975, o disco intitulado «É preciso um país», onde lia poemas acompanhado à guitarra por Carlos Paredes.
«Falo sobretudo da vida do artista genial que deu uma dimensão universal à guitarra portuguesa, que através da sua música exprimiu a alma portuguesa, a opressão dos anos negros, mas também a luta e a esperança», afirmou Manuel Alegre.
«As suas variações foram para muitos de nós a música de fundo da nossa vida», afirmou Manuel Alegre ao caracterizar o trabalho do guitarrista.
Segundo o deputado do PS, Carlos Paredes «parecia pedir desculpa pelo seu próprio talento» já que era uma pessoa «ao mesmo tempo, de uma grande humildade e timidez».
«Foi uma das grandes figuras portuguesas do século XX», concluiu Manuel Alegre.
Luís Cília
O músico Luís Cília, que acompanhou o guitarrista Carlos Paredes como amigo e profissional em vários recitais, faz votos que «a guitarra do Paredes fique e seja para sempre lembrada».
«Conheci o Paredes quando cheguei de Paris e uma das coisas que me chocou foi que um homem com o seu génio não vivesse da sua arte», disse Luís Cília à agência Lusa, lamentado que, em Portugal, artistas como Carlos Paredes «não vivam no paraíso que os merece».
O músico, que também esteve presente na vida do guitarrista durante a doença, afirmou que «era absurdo vê-lo imóvel numa cama».
Fernando Alvim
Fernando Alvim, o guitarrista que durante 25 anos acompanhou Carlos Paredes, lembra «com saudade» o amigo que considera ter sido um «grande português, que amava profundamente o seu país».
«É com grande saudade que o vejo partir», afirmou à agência Fernando Alvim, lembrando que «a música dele reflectiu muito o amor que tinha ao país». O guitarrista acrescentou que «em qualquer parte do mundo onde se oiça, a guitarra do [Carlos] Paredes faz lembrar Portugal».
Fernando Alvim, que acompanhou Carlos Paredes entre 1959 e 1984, lembrou ainda o concerto de Sidney, Austrália, que considera «um dos melhores» que fizeram.
«Faltavam 10 minutos para o início do concerto e o Paredes foi tomar um duche para ficar mais desperto. Eles são muito pontuais e a organização estava muito aflita, mas ele chegou a tempo», contou.
Mário Nunes
O vereador da Cultura da Câmara de Coimbra, Mário Nunes, lamentou a morte de Carlos Paredes, sublinhando que o mestre da guitarra portuguesa deu à música «um esplendor que será difícil igualar».
«É uma perda irreparável. Foi um exímio conimbricence que deu à música um esplendor que será difícil igualar», afirmou o autarca em declarações à Agência Lusa.
Ao vincar que Carlos Paredes é um dos expoentes da Canção de Coimbra, o vereador da Cultura lembrou que terá um lugar de destaque na candidatura deste género musical à categoria de Obra Prima do Património Oral e Imaterial da Humanidade, a conceder pela UNESCO, que a autarquia está a preparar.
«Tudo o que dedilhava na guitarra vibrava nas partes mais ínfimas do nosso ser», salientou ainda Mário Nunes.
Paulo Rocha
O realizador Paulo Rocha recorda Carlos Paredes como um guitarrista perfeccionista que se tornou «quase tão importante como a Amália Rodrigues».
Paulo Rocha, que realizou «Os Verdes Anos» (1963) e «Mudar de Vida» (1967) com banda sonora de Carlos Paredes, recordou a forma «violenta» como o guitarrista gravou em estúdio os temas do primeiro filme.
«Era um louco e um perfeccionista.Ficámos completamente presos em estúdio porque ele inventava muito e quase ficava com os dedos em sangue de tocar tanto», afirmou Paulo Rocha.
O realizador lembra que foi António da Cunha Telles, produtor de «Os Verdes Anos», que o apresentou a Carlos Paredes e lhe propôs que o guitarrista compusesse os temas do filme.
«Ele [Carlos Paredes] leu a história e compôs a música antes de eu filmar, uma música impressionante, e quando eu estava a rodar já tinha a música na minha cabeça.Fiquei com suores frios quando ouvi», explicou Paulo Rocha.
«Na altura, era uma pessoa ainda sem muita experiência, mas muito forte - o que chocou imenso a minha geração - tornando-se depois quase tão importante como a Amália», reforçou.
Gilberto Grácio
O instrumentista Carlos Paredes fez a diferença na interpretação da guitarra portuguesa, salientou o construtor de guitarras Gilberto Grácio.
«As guitarras que construí para o Carlos eram iguais a todas as outras, a diferença era ele que a fazia, com a força e o sentimento que imprimia quando tocava», disse à agência Lusa Gilberto Grácio.
Paredes, numa entrevista à emissora de rádio Antena 1 nos anos 1980, afirmou que um bom executante é aquele que integra o instrumento na sua própria sensibilidade. «Carlos Paredes marcou a diferença», frisou o artesão.
Gilberto Grácio, sucedeu a seu pai, João Pedro Grácio Júnior, na construção de guitarras, tal como Carlos Paredes sucedeu ao seu, Artur Paredes, que já encomendava guitarras à família Grácio.
«[Carlos Paredes] era um homem reservado e fechado, nunca colocava problemas, aceitava o instrumento a que depois dava alma», rematou Gilberto Grácio, adiantando que o seu legado musical será «uma constante inspiração».
Fernando Seabra Santos
O reitor da Universidade de Coimbra (UC), Fernando Seabra Santos, lamentou que o estudo da guitarra portuguesa não tenha tido a consagração académica que merece ainda durante a vida de Carlos Paredes.
«Tenho pena que o estudo da guitarra portuguesa não tenha chegado ao lugar que merece na Universidade portuguesa», afirmou Seabra Santos, ao aludir à «falta de reconhecimento a nível académico» da música de Carlos Paredes.
Caracterizando Carlos Paredes como «um vulto da cultura portuguesa muito incompreendido em alguns aspectos», o reitor lembrou o seu papel, bem como do pai e do avô, Artur e Gonçalo Paredes, para a revitalização da guitarra de Coimbra.
«Ainda não há substitutos à altura», frisou o reitor da mais antiga universidade portuguesa e uma das mais antigas a nível mundial.
O catedrático recordou ainda que a entrada em campo da equipa de futebol da Académica, nos anos 1960 e 1970, era feita ao som da música de Carlos Paredes, que nasceu e viveu em Coimbra.
«Era um desfecho esperado, mas não deixa de ser um choque», disse sobre a morte do músico, uma pessoa de «extrema humildade» com quem Seabra Santos, na qualidade de antigo membro da Brigada Victor Jara, teve oportunidade de colaborar em várias iniciativas.
David Ferreira
O editor David Ferreira, que lançou há quatro anos o último disco de Carlos Paredes, afirmou que o guitarrista tocava com um outro fôlego o que o tornou num marco histórico. David Ferreira, director-geral da EMI-VC que em 2000 editou o CD «Na corrente», em declarações considerou haver «um antes e um depois de Paredes. Ele é um marco histórico no percurso da guitarra portuguesa».
«A guitarra portuguesa depois de Paredes nunca mais foi mesma», sentenciou David Ferreira. «O Paredes parece que tocava com um outro fôlego, havia nele uma força visceral, algo interior que fazia toda a diferença».
O editor discográfico considera que Paredes é «uma personalidade tão forte que se sentirá sempre a sua falta e, se escola deixa, faltará nela sempre o professor».
David Ferreira assegurou que, «indiscutivelmente, todos os instrumentistas e compositores irão reflecti-lo no futuro».
Para além de «tecnicamente perfeito», Paredes «impulsionava sentimentos inimagináveis na guitarra, quer ao nível da execução, quer da composição».
Carlos Paredes gravou para a EMI-Valentim de Carvalho na década de 1960 e 1970 dois álbuns, respectivamente «Guitarra portuguesa» e «Movimento perpétuo». Fruto de várias sessões de gravação, foi editado em 2000, «Na corrente».

2004-07-20

Primeiro-ministro - Lugar de Passagem

Por MÁRIO MESQUITA
Público Domingo, 18 de Julho de 2004

soares@balsemão.pt
O primeiro-ministro é um lugar de passagem. Desde o dia em que António de Oliveira Salazar tombou da cadeira no forte de São Julião da Barra, o cargo de primeiro-ministro transformou-se, na pior das hipóteses, num sítio insuportável, nos melhores casos, numa escala para outros voos. O lugar de primeiro-ministro do Governo português (a direita gosta de dizer "Primeiro-Ministro de Portugal", mas a designação não é rigorosa...) obedece a uma regra que já ouvi enunciada a propósito de outros lugares ou profissões: "il mène à tout à condition d'en sortir". Por outras palavras, o cargo de chefe do Executivo pode conduzir a um futuro radioso o que sugere brevidade na passagem por S. Bento...
.........
Professor universitário

Que levou Sampaio a decidir como decidiu?

Post de Raimundo Narciso publicado no Puxa Palavra em 2004-07-11
A parte não publicada no PUXA PALAVRA está aqui a seguir à que se apresenta em itálico.

Terá Sampaio pensado que após uma muito provável vitória do PS em eleições antecipadas não estaria este partido, devido à crise de liderança, em condições de governar bem o país nos próximos quatro anos e portanto preferir um Governo de dois anos de Santana-Portas como um mal menor?
Era uma razão, má porque muito subjectiva àcerca do PS e imprudente àcerca do direita populista, mas enfim era uma explicação para, como Presidente eleito, ter actuado contra a manifesta vontade de quem o elegeu e também de alguns que não votaram nele.
Mas julgo que a razão foi outra. A razão está na sua acanhada interpretação do papel do PR no quadro Constitucional português e no seu estilo pouco voluntarioso. Sampaio tem uma concepção


reducionista do papel político do PR. Concepção tendente a valorizar o carácter parlamentarista do regime em detrimento dos efectivos poderes de um presidente eleito pelo sufrágio popular. E revela pouca apetência para exercer os seus poderes quando isso implica o confronto. Tão lúdico, para alguns, como Soares!
Pela primeira vez Sampaio, em oito anos e meio de presidência, é confrontado com a oportunidade (para ele talvez a contrariedade)de usar os seus plenos poderes para intervir e tomar uma decisão que a situação do país dele exigia. E que faz Sampaio? Leva as mãos à cabeça, consulta durante quinze dias um rol infindável de gente (sinal evidente de dificuldade na capacidade de decisão) cria expectativas contraditórias e debabafa para o país dramaticamente que o momento é dos mais difíceis de toda a sua magistratura.
Ora bolas. Momento difícil mas normal, próprio, expectável, nas funções de qualquer Presidente da República. Deveria estar feliz por finalmemte poder dar alguma valia à sua presidencial figura e aos votos que recolheu dos Portugueses.
Sampaio decidiu da forma que mais lhe poupava a decisão. Decidiu o mínimo que era possível decidir. Que se encontre a solução na Assembleia da República e lhe poupem a tremenda responsabilidade de ter de ser ele a decidir! Como para quem o ideal era mesmo não ter de decidir nada. Talvez a abulia lhe saia cara e lhe custe um fim de mandato em desassossego.

Depois há outra questão em que seria bom meditar. O Presidente é o Presidente de todos os Portugueses?
Isto é um logro para não lhe chamar uma vigarice. É Presidente de todos os Portugueses num conjunto de funções de representação nacional bem definidas na Constituição e que obviamente não é necessário nem conveniente sublinhar (não se sublinha o óbvio)e é Presidente desta ou daquela parte dos Portugueses, em certas situações políticas, de forma exclusiva, no sentido de tomar decisões políticas favoráveis a esta ou àquela parte dos Portugueses. É por isso que os Portugueses votam para eleger este ou aquele Senhor com opções políticas diferentes ou opostas para Presidente. Se uma vez eleito fosse o Presidente de todos os Portuguese de forma absoluta, seria a Rainha de Inglaterra e dispensava-se o trabalho de o eleger. Sendo eleito não tem o dever, como parece que Sampaio julga ter, de se mostrar isento relativamente ao seu eleitorado e ao que se lhe opôs. Ao contrário, tem o dever de agir, nos casos de opção política que lhe estão reservados na Constituição, de acordo com quem o elegeu, sob pena de frustrar ou esvaziar de significado o acto eleitoral ou denegar quem o fez presidente.
# posted by Raimundo Narciso @ 2:19 AM 2 comments
Comentários: (também presentes no Puxa Palavra)
Comments:
Aduziria um ponto que não é dispiciente, Raimundo.

Já comentei lá mais para baixo (a quente e com linguagem pontualmente brejeira) essa visão minimalista da presidência, e a nossa praxis minimalista da cidadania, perante instituições-pessoas como o PR.

Mas acontece também que o discurso presidencial tem, nestos últimos oito anos e meio, uma outra linha de força: o permanente apelo à participação e envolvimento democráticos dos cidadãos, à sua responsabilização e tomada em mãos do futuro do país.

A incongruência é evidente; as consequências dela (para além da descredibilização do próprio JS) são contudo mais marcantes e essenciais.

Não sei qual a eficácia prática dessa repetida linha de discurso do JS, embora a suspeite muito reduzida. Não obstante, é das poucas ou a única coisa que, até anteontem, o tal de cidadão comum compreendia e sabia existir no discurso presidencial.

Neste quadro, da incongruência entre discurso e decisão do JS resulta necessariamente a descredibilização e esvaziamento do primeiro (e dos seus eventuais efeitos motivadores e mobilizadores), a descrebilização da participação e responsabilidade democráticas. E uma nova "prova" (envolvendo agora o JS) da batida frase popular "os políticos são todos iguais", neste caso na sua variante de "todos uns aldrabões" e tendo como corolário "não vale a pena votar" - quanto mais participar para lá do voto.

Para além das consequências políticas directas e imediatas, esta decisão matou anos de pedagogia democrática que pressuponho sincera. Matou, com ela, o que positivo se pudesse descortinar em dois mandatos presidenciais.

Paulo Granjo
# posted by Anonymous : 11:50 AM
Acho que tens razão Paulo. Quando ouvi o Durão Barroso, nos primórdios da crise, dizer que o Sampaio o tinha felicitado considerei que ou o PR disse isso num contexto em que fal felicitação adquiriria outro significado ou então a atitude era grave e não teríamos PR à altura das circunstâncias. Quando DB acrescentou há 15 dias atrás que saiu da reunião com Sampaio convicto de q o PR não convocaria eleições pensei o pior. Mais recentemente Durão reafirmou com ênfase que saiu de Belém profundamente convicto de q o PR não convocava eleições. Depois Jorge Sampaio ao tomar a decisão q tomou só posso entender todo este suspense como uma tentativa canhestra para justificar o compromisso que insensatamente assumira com Barroso. Andei muito tempo sem querer dizer isto receando q era um desprimoroso juizo de intensões. Mas agora que tanta gente o diz...olha também o digo.

As contradições da Olívia

Posted por Mário Lino no PUXAPALAVRA EM 2004-07-15
A parte publicada no PUXAPALAVRA encontra-se aqui em itálico.

Muitos leitores certamente se recordarão de Ivone Silva, uma das maiores e mais populares artistas da chamada Revista à Portuguesa, que criou numerosas personagens fabulosas que tão bem caricaturaram a situação política portuguesa e muitos dos seus intervenientes, antes e depois do 25 de Abril.

Uma dessas personagens, criada precisamente depois do 25 de Abril, foi a Olívia, costureira, que trabalhava sozinha em casa para as clientes que ia arranjando e que, portanto, era simultaneamente empregada e patroa de si mesma.

Olívia vivia em grande e permanente contradição: como Olívia patroa, exigia que Olívia costureira trabalhasse mais depressa e mais horas, que não fizesse férias, que tivesse menos salário e não recebesse horas extraordinárias; como Olívia costureira, reivindicava à Olívia patroa maior salário, redução das horas de trabalho e aumento do período de férias.

Este quadro de revista veio-me à memória a propósito da Directiva-Quadro da Água da UE que já devia ter sido transposta para o nosso direito interno até ao passado dia 22 de Dezembro e que ainda não o foi, nem ninguém sabe bem quando será transposta.

Como é sabido, esta Directiva estabelece um quadro de acção comunitária no domínio da política da água, constituindo um dos mais importantes, bem elaborados, consistentes e exigentes actos legislativos para a implementação da política do ambiente da EU, tal como está consignado no 6º Programa Comunitário de Acção no Domínio do Ambiente, adoptado pelo


Parlamento Europeu e pelo Conselho em Janeiro de 2001.

A versão final desta Directiva foi aprovada durante a Presidência Portuguesa do Conselho da EU, ocorrida durante o primeiro semestre de 2000, tendo constituído um dos pontos mais altos dessa Presidência.

Sabendo que o processo de transposição da Directiva seria complexo e moroso, o então Ministro do Ambiente José Sócrates deu, logo em Junho de 2000, início a esse processo, nele envolvendo os departamentos pertinentes do seu Ministério e vários especialistas na matéria. Como resultado do trabalho realizado, foi elaborado um Anteprojecto da Lei da Água que não só assegurava a transposição da Directiva como procedia a uma actualização geral da nossa legislação básica no domínio da água. O objectivo era que Portugal passasse a dispor de uma Lei da Água moderna e consistente, em sintonia com a Directiva, que garantisse as necessárias condições institucionais e legais à sua implementação, fundada nos conceitos e princípios que mais consensualmente têm vindo a ser defendidos pela comunidade científica e técnica, que incorporasse a rica experiência recolhida no País ao longo de muitos anos e que corrigisse as disfunções e deficiências mais sentidas na legislação actualmente em vigor. Este Anteprojecto foi formalmente apresentado por José Sócrates ao Conselho Nacional da Água em Março de 2002, já no termo do exercício das suas funções.

Infelizmente, este processo, a partir daqui, passou inexplicavelmente a “arrastar os pés”, para não dizer mesmo que deixou completamente de “mexer os pés” durante oito longos meses, só voltando a ser retomado pelo então ministro Isaltino de Morais em Novembro de 2002, tendo ainda sofrido de alguma paragem aquando da substituição daquele ministro pelo Ministro Amílcar Theias, o qual veio a ultimar um novo Anteprojecto pouco antes de ser substituído pelo novo Ministro Arlindo Cunha, com o novo compasso de espera daí decorrente.

Como consequência, Portugal não procedeu ainda à transposição da Directiva-Quadro da Água, tendo a Comissão Europeia enviado já uma última advertência escrita ao nosso País, a que se seguirá, no caso do incumprimento se manter, como é previsível, um processo contencioso de que poderão resultar graves prejuízos para Portugal.

Durão Barroso vai encontrar-se, assim, na posição da Olívia: como Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia vai ter que exigir, a Portugal, responsabilidades pelo facto de Durão Barroso ex-Primeiro Ministro de Portugal não ter cumprido as suas obrigações como devia.

(Artigo publicado no "Diário Económico" de 15.07.2004)

# posted by Mário Lino Correia @ 6:18 PM 3 comments

Um Pouco Mais de Razão

Post de Rui Carreteiro no Puxapalavra em 2004-07-11 que devido à extensão continua aqui. (Em itálico o que está publicado no PUXAPALVRA)

Das sempre fascinantes conversas com o Raimundo Narciso, as que mais me deixam lastro para meditar são sem dúvida as notáveis lições de História. Na voragem do imediato, os tempos não são de olhar para trás, é verdade. Mas é pena. Por mim, não consigo evitar que me venha constantemente à memória a Primavera de 1987. Após a aprovação da Moção de Censura apresentada pelo bizarro PRD, Soares decide convocar as eleições antecipadas que a 19 de Julho dão a primeira maioria absoluta de mandatos, mas também de votos, ao PSD de Cavaco. Tive a minha primeira zanga séria com o meu grande referencial político. Então o homem é eleito após a mais sangrenta batalha à esquerda e o embate mais decisivo contra a direita(só 12 anos após o 25 e Abril) e passado apenas um ano não dá hipótese à esquerda de formar um governo liderado pelo seu partido?! Alguns amigos falaram-me até de um conflito edipiano. Custou a sarar aquela ferida. Mas o que não nos mata, torna-nos mais fortes.
Dito isto, pensarão que apoio a decisão de


Sampaio. Enganam-se e de que maneira, mas já lá vamos. O que gostaria de ver era um pouco mais de racionalidade na reacção à decisão do PR. Eu que abomino o pragmatismo interesseiro da nossa direita, não posso contudo deixar de lhe admirar a eficácia. Compreendo e até apoio em parte a decisão de Ferro. Há necessariamente muito de visceralmente pessoal numa liderança. E Ferro pessoalmente deu-se à luta além de todos os limites individualmente razoáveis. Outros há muito que teriam desertado. Mesmo no abandono foi fiel à sua coragem e à convicção. Coisa que rareia cada vez mais. Já a excomunhão a que se dedicaram outros altos dirigentes do PS e da esquerda em geral, e não só, renegando o Presidente que elegeram, me parece manifestamente exagerada. Mesmo discordando em absoluto, e já verão o quanto, a decisão está tomada e é irrevogável, Sampaio continuará a ser PR e parte do património do País, da esquerda e do PS. O PS tem de combater os 3 PPs(os dois partidos populares, o Pedro e o Paulo) e não o PR. A raiva só é válida se transformada em energia para a luta.
A esquerda portuguesa é de uma auto-exigência infantil. Entretanto, a direita governa ou no mínimo leva a sua avante(Recordam-se da oposição de Marcelo?)Não me agrada nada concordar com Pacheco Pereira, sobretudo porque na maior parte das vezes discordo radicalmente. Mas o que tem dito sobre esta crise é infelizmente muito acertado. De facto, ainda nem sequer se sabia se haveria eleições e já o PS hesitava sobre a política de alianças pré e pós-eleitorais, o Bloco armava-se em guardião da moral e da virtude e o PC esforçava-se por dizer que existia. À direita, Santana era um anjo, Portas fidelíssimo e Ferreira Leite renegava as suas convicções. Gostava de acreditar que Sampaio não terá tido estes dados em conta, mas em nome da lucidez não posso.
Respeito e até compreendo a decisão do Presidente, mas, sobretudo na forma, tenho de a contestar. Sampaio hesita e gosta de ponderar, é genético. Mas bastar-lhe-ia evocar a Constituição, a prática europeia e a estabilidade. Tremulente, optou por fazer umas considerações sobre a fidelidade ao Programa Eleitoral e ao rumo do Governo cessante. Tretas! Ora não renegou Durão o famoso choque fiscal? Não traiu o compromisso assumido com os portugueses? Votaram os eleitores do PSD na aliança com o PP? Sampaio comprometeu-se com uma solução sobre a qual tem as maiores dúvidas. Compromissos com estes 3ps?!Amarrou-se inexoravelmente. Ainda mais quando jurou obrigá-los a cumprir o Programa de Governo, lhes condiciona a escolha dos ministros e ameaça com o poder de dissolução. A autoridade não se anuncia, exerce-se. Se esta solução falhar, sendo as probabilidades e as variáveis que para aí concorrem esmagadoras, Sampaio terá de assumir o falhanço clamoroso no seu final de mandato. E então, por muito que me doa dize-lo, mas também acreditem que hesitei e ponderei, só lhe resta uma atitude digna. Ou seja, fazer história, demitindo-se. Há talvez contudo um inseperado efeito desta errada decisão que porventura o salvará. Mas lá iremos.
Ainda Pacheco Pereira. Tem infelizmente também toda a razão quando diz que os próximos tempos acentuarão uma tendência que se verifica desde os últimos meses de Guterres como PM. Isto é, a radicalização do combate político, a extremização do discurso e o consequente apagamento do centro. Pergunta simples: europeísta convicto como sou, acreditam ser possível fazer campanha a favor da Constituição Europeia ao lado dos 3ps? Sampaio já disse que faz campanha pelo sim. Haja alguém! Acontece que, sendo de esquerda, sou de centro-esquerda. Eu e apenas mais uns quantos milhões que decidem eleições, coisa pouca... Tem o PS agora uma oportunidade de ouro para, como fez ao escolher Sousa Franco para cabeça de lista nas Europeias, reconquistar o centro político vital para as vitórias eleitorais. Com o encostar do PSD ainda mais à direita com Santana e com o descalabro expectável, pode até atingir um nível de apoio inimaginável.
É por isso que, apesar do sebastianismo parolo e da preocupação com o trabalho de base partidário(Volta em Força, Jorge Coelho!), ainda assim, eu e mais os muitos milhões do tão mal-amado centro anseiam para que IMEDIATAMENTE um homem assuma as rédeas do PS e se torne rapidamente Primeiro-Ministro. António Vitorino, pois claro!
Escrevendo direito por linhas muito tortas, talvez Sampaio ainda consiga o que Soares conseguiu na despedida de Belém. Em 2006 eu acredito que será o ano dos Antónios. Vitorino PM, Guterres Presidente. Querem apostar? Redimir-se-á assim Sampaio, quiçá.
O diálogo à esquerda de que falava no meu anterior post? Pois esfumou-se entre a arrogância imberbe do Louçã, o delírio fantasista do Carvalhas e a decisão de Sampaio, apesar do esforço titânico de Ferro. É pena dizer isto poucas horas após a morte de Pintasilgo, essa mulher que tinha o dom de nos fazer acreditar em todas as quimeras. Mas, infelizmente, como lhe disse Soares no memorável debate de 1986, a política não é o país das maravilhas. Não é mesmo, é apenas a humana arte do possível. Há é possíveis preferíveis a outros.

# posted by Rui Carreteiro @ 1:57 AM 1 comments

2004-07-18

Sampaio na posse do XVI Governo

In http://www.presidenciarepublica.pt/pt/main.html
Sítio da P.R.
 
Discurso por ocasião da Tomada de Posse do XVI Governo Constitucional
Palácio Nacional da Ajuda 17 de Julho de 2004


Senhor Primeiro Ministro Senhores Membros do Governo Minhas Senhoras e Meus Senhores,
O XVIº Governo Constitucional toma hoje posse na sequência das circunstâncias excepcionais, de todos conhecidas.
Quero, antes de mais, desejar ao Primeiro Ministro agora empossado e a todos os membros do novo Governo os melhores sucessos no exercício das suas funções.
Ao Primeiro Ministro cessante quero também agradecer os serviços prestados a Portugal, estendendo, naturalmente, este meu reconhecimento a quantos serviram o país no seu governo.
Ao dar posse a V.Exas., devo deixar claro quais são, em minha opinião, os desafios com que o país está confrontado e as exigências que estes impõem ao Governo, assim como reiterar a minha interpretação de sempre sobre os poderes constitucionais e as responsabilidades políticas do Presidente da República.
O Governo de Vossa Excelência Senhor Primeiro-Ministro terá do Presidente da República uma cooperação institucional tão aberta quanto a que pratiquei relativamente aos seus antecessores durante os meus dois mandatos. Em sentido recíproco, sem prejuízo da inteira liberdade e exclusiva responsabilidade do Governo no cumprimento do seu programa e na realização das correspondentes políticas, o Presidente da República espera uma análoga atitude de cooperação.
Nos limites constitucionais da separação e interdependência entre os órgãos de soberania, pode Vossa Excelência, Senhor Primeiro-Ministro, contar com toda a colaboração do Presidente da República. Esta cooperação não pode, todavia, assentar numa distorção ou num apagamento das concepções e visões estratégicas próprias do Presidente da República e do Governo.
Só por esta via se respeitará a vontade do eleitorado que sufragou livremente, em momentos distintos, o distinto entendimento que cada um destes órgãos tem sobre a melhor forma de servir o interesse nacional.
O Governo toma posse, Senhor Primeiro-Ministro, com um horizonte temporal limitado aos próximos dois anos e numa situação difícil em que o País se debate com problemas económicos e sociais cujo melindre é conhecido de todos.
A isto soma-se o facto de, no plano estritamente político, ser este um período marcado por sucessivos actos eleitorais que culminam nas eleições legislativas de Outubro de 2006.
A conjunção de todos estes factores, não interessa escondê-lo, é para o Presidente da República um motivo de preocupação acrescida.
É normal e compreensível que os partidos políticos determinem, em grande medida, a sua actuação pelos calendários eleitorais. Mas já não seria aceitável que o Governo e as administrações públicas condicionassem a juízos de mera oportunidade eleitoral a prossecução do interesse nacional a que estão obrigados.
Estou convicto de que o Senhor Primeiro-Ministro e todos os membros do seu Governo partilham desta preocupação e serão igualmente responsáveis no esforço de clara separação dos dois planos.

Senhor Primeiro Ministro, Senhoras e Senhores Ministros,
Os últimos dois anos não foram fáceis para Portugal. Agravaram-se os problemas sociais e, particularmente, o desemprego. A retoma económica é ténue. A consolidação orçamental não está garantida. O controlo do deficit abaixo de 3 % do PIB tem sido obtido, em grande parte, à custa de medidas extraordinárias, prática esta que não se pode transformar em regra.
Os elevados níveis de desemprego que se registam em Portugal representam, para centenas de milhar de famílias, precaridade de condições de vida, angústia, e a percepção de um futuro incerto.
Não se pode ignorar a dimensão social desta realidade e esperar, passivamente, que a conjuntura se inverta para que ela se altere. É necessário desenvolver políticas activas que propiciem, quer o desenvolvimento económico, quer a diminuição da exclusão social.
É indispensável melhorar a produtividade e a competitividade da economia, para aumentar o crescimento económico e o emprego, tal como é necessário controlar o crescimento da despesa pública e aumentar a eficácia fiscal, para assegurar a sustentabilidade das finanças públicas.
Portugal necessita, inadiavelmente, de mais crescimento económico e de melhor consolidação orçamental, sabendo-se como uma e outra estão relacionadas. Por um lado, porque a urgência da consolidação orçamental não pode ignorar a importância do crescimento económico, que também ajudará a reduzir o desequilíbrio das finanças públicas; por outro lado, porque a dimensão do actual défice público limita a possibilidade de utilizar a política orçamental para estimular a economia e promover o crescimento económico.
É preciso conter criteriosamente a despesa pública corrente e combater eficazmente a evasão fiscal. Só assim se poderá ganhar margem de manobra para evitar que se sacrifiquem indevidamente despesas sociais necessárias e poder realizar investimentos públicos indispensáveis para melhorar a capacidade produtiva do País. Investimentos em investigação, inovação, desenvolvimento tecnológico e qualificação de recursos humanos, ou seja, investimentos nos novos factores de competitividade. Investimentos que não visem estimular artificialmente a economia mas que sirvam, sim, para melhorar a nossa estrutura produtiva e permitir uma sólida recuperação económica.
Só assim, prestando atenção à economia sem descurar as finanças, se poderá ir ao encontro das legítimas aspirações do País, combater o desemprego e a exclusão social, garantir a convergência real com as economias europeias mais desenvolvidas, melhorar, em suma, as nossas condições de vida e reforçar a segurança económica e a confiança dos portugueses.
Recordo aqui as recentes palavras do Governador do Banco de Portugal: “ A necessária consolidação orçamental não está concluída e tem que continuar a ser prosseguida. Este objectivo é muito exigente, quer este ano quer no próximo, face ao crescimento económico que se antevê.
Não existe, assim, margem para programas adicionais de aumento de despesas, nem para reduções de impostos que não sejam compensadas por equivalente diminuição de despesa.”
Esta é e sempre foi, Sr. Primeiro Ministro e Senhores Ministros, também em minha opinião, o único caminho que permite a necessária consolidação orçamental nas actuais circunstâncias da economia portuguesa.
A conjuntura nacional, bem como o delicado contexto internacional, impõem ao governo uma particular lucidez nas políticas e um rigor na gestão governativa, tal como aconselham a realizar obra consistente e estruturante da solução dos problemas.
O Governo cessante aprovou o Programa de Estabilidade e Crescimento para o período de 2004 a 2007. Para assegurar a continuidade da consolidação orçamental, é indispensável que os Orçamentos de Estado para 2005 e 2006 respeitem as linhas gerais desse Programa, nomeadamente quanto aos valores programados para o défice público e para a evolução da despesa corrente primária durante todo o período em causa, bem como no que toca ao compromisso de redução progressiva do recurso a receitas extraordinárias, que têm permitido trazer o défice para valores inferiores a 3% do PIB, à custa do enfraquecimento da situação patrimonial do Estado. A continuidade da consolidação orçamental é um objectivo que se impõe ao Governo na parte que resta da legislatura, como aliás claramente indica o período de referência do Programa de Estabilidade e Crescimento.
O país não está, de facto, em condições de suportar qualquer deriva eleitoralista.
Impõe-se igualmente uma palavra sobre a nossa participação activa no projecto de integração europeia, enquanto linha essencial da política externa portuguesa. Soubemos, na altura própria, quando virámos uma página da vida do País, reencontrar as matrizes históricas e culturais que sempre nos haviam definido. E fizemo-lo na clara percepção de que esse era o caminho mais seguro para garantir a democracia, favorecer a modernização do Estado, e dar consistência e outra força à nossa capacidade de intervenção externa, designadamente em áreas onde devemos defender permanentes interesses nacionais.
Este é um tempo de decisivos desafios para a Europa de que fazemos parte, pois diferente é o seu desenho com o novo alargamento e novas as responsabilidades que pretende assumir. Por isso, não poderá haver agora hesitações ou ambiguidades na defesa do caminho europeu que, num extenso e quase consensual entendimento político, temos percorrido, e que os vários Governos têm sabido proteger.
Excelências, Minhas Senhoras e Meus Senhores,
Ao partilhar com V. Exas. um conjunto de preocupações quanto à difícil situação do país, não posso deixar de ter presente que este Governo é sucedâneo do anterior, no estrito sentido em que ele resulta, apenas, da demissão do anterior Primeiro Ministro e não é fruto de nenhuma alteração ocorrida no quadro parlamentar, nem, tão pouco de qualquer mudança na relação entre os partidos da coligação.
Como já disse, conta o Governo com a cooperação institucional do Presidente da República, o que em nada interfere com a legitimidade do Governo e da maioria parlamentar para definirem quais as tarefas essenciais, no seu entendimento, para dar resposta, nestes tempos de tantas dificuldades, às necessidades e aspirações do País.
E é, por isso, que a minha afirmação da necessidade de respeito pelo programa com que os partidos da coligação se apresentaram à investidura parlamentar, na sequência das eleições legislativas de 2002, não envolve, nem podia envolver, qualquer juízo da minha parte sobre tal programa, nem nenhuma corresponsabilização com ele. Sobretudo quando no nosso sistema constitucional, como noutra oportunidade referi, o Presidente da República não é politicamente responsável pela actuação do Governo.
Nesse sentido, na esfera que lhe é própria, e que não é a da governação, o Presidente da República continuará a desenvolver o compromisso sólido com as grandes causas nacionais, da educação à justiça, da integração europeia à afirmação da nossa identidade, do combate à evasão e fraude fiscais à estabilidade financeira do Estado. No desenvolvimento desse compromisso, o Presidente da República nem se corresponsabiliza pela política desenvolvida pelo Governo, nem labora para forjar ou facilitar alternativas. As suas preocupações são as do interesse nacional, da unidade do Estado, do bem-estar e dos direitos fundamentais dos portugueses, da garantia do pluralismo e equilíbrio do sistema político.
Empenhado, como sempre, na garantia da plenitude de condições políticas e institucionais para que o Governo possa desenvolver o seu programa político, para que as oposições possam exercer a sua função de crítica, de proposição e de controlo, e para que o eleitorado possa livre e conscientemente julgar as alternativas no termo da legislatura, o Presidente da República tem, aqui, que dedicar uma atenção extrema à transparência, equidade e imparcialidade no exercício do poder, à prevenção dos abusos, à protecção das minorias e à preservação das possibilidades efectivas de alternância democrática.
Senhor Primeiro Ministro,
Quero repetir as palavras que já aqui proferi: “Ao nomear o Governo, faço-o na convicção de que se trata de uma fórmula de estabilidade, assente no entendimento sólido e responsável entre os partidos que integram a maioria parlamentar”.
Reitero-lhe, Senhor Primeiro Ministro, Senhoras e Senhores membros do Governo, os desejos de sucesso no exercício no exercício das funções em que foram empossados.

2004-07-12

Comunicação ao País de Jorge Sampaio

Palácio de Belém
09 de Julho de 2004
(In http://www.presidenciarepublica.pt/pt/main.html)

Portugueses,
Fui confrontado com a demissão do Governo como consequência da aceitação por parte do Sr. Primeiro-Ministro do convite que lhe foi endereçado para presidir à Comissão Europeia. Ou seja, com a interrupção do mandato do Governo por sua própria iniciativa.

Entendi e entendo que a presença de um português à frente da Comissão Europeia é um factor positivo e prestigiante para Portugal.

O Senhor Primeiro Ministro sabia que não podia fazer depender a sua opção pessoal do modo como fosse resolvido o problema criado pela sua demissão. A decisão do Presidente da República, perante essa circunstância, é sempre uma decisão autónoma e livre.

A alternativa é conhecida de todos: ou o Presidente da República nomeia um novo Primeiro Ministro, indicado pelo partido maioritário na Assembleia da República, ou dissolve a Assembleia da República, e convoca eleições gerais antecipadas.

Ponderei, sempre e até ao fim, ambas as possibilidades.

E nesse processo, mesmo antes de ouvir os partidos políticos com representação parlamentar e o Conselho de Estado, entendi consultar um conjunto de personalidades, incluindo os antigos Presidentes da República e Primeiros Ministros.

Foi uma decisão complexa, dada a controvérsia sobre a melhor forma de resolver o problema. Qualquer das alternativas comportava custos. A opinião pública tinha a percepção destes custos e, por isso, dividiu-se entre os dois caminhos para resolver a crise. Acresce que, ao contrário do que aconteceu quando da demissão do Primeiro-Ministro António Guterres, na sequência das últimas eleições autárquicas, onde então se verificou consenso partidário, regista -se agora uma forte divergência.

Nestas circunstâncias, o Presidente da República tem de avaliar e decidir, de acordo com a Constituição e com a sua interpretação do interesse nacional.

Tenho reafirmado, ao longo dos meus dois mandatos, a importância da estabilidade política enquanto factor de desenvolvimento nacional e de regular funcionamento das instituições democráticas.

A estabilidade política associada ao regular funcionamento das instituições significa:
- em primeiro lugar, que os cidadãos, quando são chamados a eleger os seus representantes na Assembleia da República, têm, por essa via, a possibilidade de escolher, indirectamente, um Governo para os quatro anos seguintes;

- em segundo lugar, que, ao longo desses quatro anos, o Governo, com respeito das regras constitucionais, deve ter a possibilidade de realizar, livre e responsavelmente, o programa sufragado nas eleições;

- finalmente, que, no termo da legislatura, os eleitores julgarão a actividade do Governo.

Não compete ao Presidente da República governar. Mas já lhe compete garantir as condições de regularidade, legitimidade e autenticidade democráticas de todo este processo.

Se estas condições estiverem garantidas, entende o Presidente da República que o mandato do Governo não deve ser interrompido antes do fim da legislatura, pese embora o resultado de outras eleições entretanto verificadas.
Desde que o Governo saído das eleições parlamentares continue a dispor de consistência, vontade e legitimidade políticas, a demissão ou impedimento permanente do Primeiro-Ministro não é motivo bastante para, por si só, impor a necessidade de eleições antecipadas.

Posto isto, a minha avaliação concentrou-se, naturalmente, na análise das consequências para a situação política e parlamentar da demissão do Primeiro Ministro.

Será que mudou algo de essencial que possa justificar uma interrupção do mandato da Assembleia da República?

Ou, ao invés, tanto quanto é possível avaliar neste momento, existem condições para garantir um novo Governo, com uma maioria estável na Assembleia da República, que possa assegurar a sua permanência nos dois últimos anos da legislatura?

Na sequência das audiências dos partidos políticos, a actual maioria garantiu-me poder constituir um novo Governo, que permita dar continuidade e cumprir o Programa do anterior; e que essa maioria se comprometeu assegurar, até ao final da legislatura, o mesmo apoio que deu ao governo cessante.

Nestas condições a dissolução da Assembleia da República teria de ser considerada a solução que mais se afastaria da estabilidade política.

Um quadro de continuidade das políticas essenciais, onde, além do mais, se incluem a Europa, a política externa, a defesa, a justiça, bem como as políticas de consolidação orçamental, são fundamentais para que possa optar-se pela constituição de um novo Governo.

Muito especialmente, quero ainda chamar a atenção para a proximidade de um novo ciclo eleitoral, que inclui as eleições regionais e as autárquicas, com que quaisquer Governos estariam sempre defrontados, para sublinhar que os critérios de austeridade, de sobriedade e de orientação estratégica dos investimentos do Estado, não vinculam só o Governo e a administração central. Devem ser obrigatórios para todas as administrações e entidades públicas, a par, naturalmente, da isenção política que perante aqueles actos eleitorais deverão manter.

Resta, assim, a questão da legitimidade da actual maioria para formar um novo Governo.


Nas últimas eleições parlamentares, os partidos políticos submeteram ao eleitorado diferentes programas e candidatos, sem que nenhum tivesse obtido uma maioria absoluta.

Nesse contexto, a legitimidade para formar Governo adveio, num primeiro momento, do voto popular e da representação parlamentar obtida, que, logo a seguir, deu lugar à formação de uma nova coligação maioritária na Assembleia da República, que garantiu a aprovação do Programa de Governo.

Ora um e outro factor, garantem-me, permanecem inalterados.

Os resultados de referência continuam a ser os verificados nas eleições parlamentares de 2002; a possibilidade de acordo parlamentar maioritário em torno do Programa de Governo permanece válida.

Nesse sentido, decidi dar oportunidade à actual maioria de formar um novo Governo, pelo que endereçarei o correspondente convite ao Presidente do Partido Social Democrata, agora que, neste quadro, estão esgotadas outras possibilidades.
Justifica-se reiterar aqui que tem de ser rigorosamente respeitada a continuidade das políticas essenciais – repito, a Europa, a política externa, a defesa, a justiça, bem como as políticas de consolidação orçamental.

Fique claro que é por estas vias de continuidade e pelo rigor indispensável que passarão os critérios permanentes da minha avaliação das condições de manutenção da estabilidade governamental; e utilizarei a plenitude dos meus poderes constitucionais para assegurar que esses critérios serão respeitados. Sempre terei por inaceitáveis viragens radicais nestas políticas, pois foram elas as sufragadas pelo eleitorado

Portugueses,

O Presidente da República permanece fiel à sua obrigação constitucional de garantir o regular funcionamento das instituições democráticas e mantém intactos todos os seus poderes constitucionais, incluindo o poder de dissolução da Assembleia da República. Continuo, finalmente, a poder garantir os princípios em nome dos quais fui eleito e em nome dos quais tenho pautado a minha actuação como Presidente da República.

Ouvi todas as opiniões.

Todos entenderão, porém, que preze a coerência com a minha interpretação dos poderes presidenciais e a preservação do estatuto de Presidente da República como Presidente de todos os Portugueses.

Sei bem que muitos portugueses e seus representantes políticos propunham que tomasse outra decisão. Considerei e considero inteiramente compreensíveis e legítimas as suas posições. Estou certo de que, mau grado a minha diferente opção, entenderão os argumentos que me levaram a escolher o caminho da indigitação de um novo Primeiro-Ministro.

Não tomei esta decisão de ânimo leve. Ponderei profundamente as consequências de ambas as decisões. Procurei ser fiel ao meu passado, às minhas convicções políticas e ao programa com que duas vezes me apresentei ao eleitorado. Decidi apoiado numa longa experiência política e no profundo conhecimento do país que hoje tenho. Pesei, com rigor, os caminhos que melhor servem Portugal, nas circunstâncias concretas em que ele se encontra.

Não posso ignorar que as exigências da nossa situação económica e financeira, com uma retoma ainda incipiente, uma consolidação orçamental longe de estar garantida e uma situação social particularmente gravosa, me aconselham também este caminho.

E, assim, por convicção e coerência, decidi.

Tenho consciência de que Portugal atravessa um momento difícil que impõe ao Presidente da República a máxima ponderação dos riscos das diversas alternativas e a necessidade de assegurar a continuidade do regime constitucional.

Nesse regime - que não fiquem dúvidas - a nossa opção é pela democracia representativa, de que não sou o notário, mas sim o garante; e que, por isso, não há razões de oportunidade, por mais compreensivas que sejam, que possam abrir caminho e criar um precedente para futuros desvios plebiscitários.

Sei que posso contar com todos para, com serenidade e uma visão de futuro, ultrapassar esta situação e para defender os valores essenciais da democracia portuguesa.

Muito obrigado.

2004-07-11